Divulgando |Inscrições para posição de pós-doutorado na África do Sul – Instituto de pesquisa Econômica e Social da Wits – University of the Witwatersrand / Johannesburg

O Instituto de pesquisa Econômica e Social da Wits – University of the Witwatersrand em Johannesburg – Africa do Sul – está oferecendo 8 vagas de Pós-doutorado para trabalhar sob a coordenação do professor Achille Mbembe. O programa de pesquisa interdisciplinar e multirregional chama-se REGIÕES 2050: ESPAÇOS MÓVEIS, FRONTEIRAS POROSAS E CAMINHOS DE REGIONALIZAÇÃO.
Bolsa de 250,000 rands (80 mil reais) por ano + 10 mil rands de pesquisa.

REQUISITOS
– Uma carta de motivação (máximo de 2 páginas)
– Um currículo curto (máximo de 2 páginas)
– Uma proposta de pesquisa altamente inovadora (máximo de 4 páginas)
– Uma cópia autenticada do Ph.D.
– duas cartas de referência
– Uma amostra escrita de trabalho acadêmico

Achille Mbembe

WISER INVITES APPLICATIONS FOR 8 TWO-YEAR POSTDOCTORAL POSITIONS (2020-2022)

Thanks to generous funding from Carnegie Foundation (USA) and the Gerda Henkel Foundation (Germany), WISER is launching a major interdisciplinary and multi-regional research program called REGIONS2050: MOBILE SPACES, POROUS BORDERS, AND PATHWAYS OF REGIONALIZATION. Coordinated by Professor Achille MBEMBE, the Program includes 40 researchers and straddles the traditional divide between Francophone, Anglophone, Arabophone and Lusophone scholarly communities. It also transcends the divide between Sub-Saharan Africa and North Africa while reconnecting the African continent to the Southern Atlantic and Indian Oceanic worlds.

THIS MULTI-REGIONAL RESEARCH PROGRAM’S GOAL is to unlock the paradoxes of regionalization in a setting, the African continent, shaped by multiple porous borders and mobile spaces. Instead of assuming that regionalization is tied to state territoriality, it examines the ways in which frontiers and horizons – spatial, material, cultural and imaginary – are increasingly produced by the intersection of cross border flows, networks and informal institutions that are not delineated by states only, but also by technological devices of all kinds and by movement as such.
The Program’s aim is to foster a new understanding of the ongoing geographies of regionalization that arise from: (1) the intensification of mobility, flows and circulation in a context of porous borders, mobile spaces and technological transformations; (2) the accelerated extraction and use of natural resources that has been taking place in Africa over the last century and a half, its historical pathways and the socio-ecological transformations it has unleashed; (3) the mutations in causes of illness (epidemics and the increase of non-communicable diseases) and the way the crisis of climate is reshaping the human/ecological/environment relationships.
In this Program, the two concepts of the mobile space and porous borders serve as broad conceptual indexes that will be used to distinguish between (1) different types of mobilities/circulation/speed and different types of borders; (2) the cultural and institutional forms generated by such movements; and (3) the technological, ecological and spatial reconfigurations that arise in the context of increasing informalization and transnationalization of life forms and processes.

WE INVITE APPLICATIONS FOR 8 (eight) two-year POSTDOCTORAL POSITIONS. Each fellowship will be funded up to R250,000 per year (medical insurance included), to which will be added R10,000 for research. The successful candidates are expected to join the Institute in Johannesburg remotely in October 2020 and in person, subject to the pandemic crisis, from February 2021. They will be expected to: (1) fully participate in the research program and in its publications; (2) take part in the scientific events and other activities relevant to their research (advanced seminars, workshops, round tables, experimental syllabus); (3) produce 3 podcasts or op-eds per year; (4) publish 1 peer-reviewed article and per year and (4) one final chapter to be included in an edited volume.
WE SEEK CANDIDATES with different skills and training backgrounds (including in health, natural and environmental science and in technology studies) who are willing to work on highly innovative research projects (borders, mobility, speed, circulation of people, objects, ideas and technological devices, ecological transformations, regional transport systems, markets and small towns, cross-border practices, media and digital corridors; cultural and literary scapes; logistics, multi-species interactions; health ecologies and pandemics; trans-regional extraction, enclaves and offshoring etc.).

Fellowships are opened to international candidates. African and diasporic candidates are strongly encouraged to apply.

REQUIREMENTS
Applications should include:
– A letter of motivation (2 pages maximum)
– A short CV (2 pages maximum)
– A highly innovative research proposal (4 pages maximum)
– A certified copy of the Ph.D.
– Two reference letters
– A written sample of academic work

DURATION
The program runs from October 30, 2020 to October 30, 2022.

DEADLINE
Applications should be sent electronically to: Najibha Deshmukh, Senior Administrator, Wits Institute for Social and Economic Research (najibha.Deshmukh@wits.ac.za)
The deadline for application is August 31, 2020. Results will be published on September 5, 2020.

The research program includes 4 Clusters: (1) Sahel/Sahara/Mediterranean; (2) Congo Basin; (3) Southern Atlantic/Indian Oceanic Africa; (4) African Technoscapes.
A candidate is only allowed to apply in one Cluster.

Divulgando | Prospecta UFPE – O futuro da água nossa de cada dia

109840072_2659147327678240_3789614285383972781_o

“O Irmão Marcelo Barros é desses raros seres que pensam integradamente e afetivamente sobre o cotidiano da vida.
Grande conhecedor de Teologia, sabe encontrar pontos comuns nas conversas com cientistas e pensadores populares, com religioes que têm a Biblia como guia e com aquelas que não a segue, com culturas as mais diversas. Por isso, esse encontro sobre a Agua tem o alcance dos simbolismos culturais, dos revezes ambientais que estamos vivendo, do sofrimento que está sendo imposto aos nossos povos primitivos, sobre direitos, sobre responsabilidade social. Um Prospecta memorável que ele nos concede! E uma alegria poder recebê-lo no Instituto Futuro da UFPE.”

Divulgando | Chamada de artigos para dossiê – Revista África(s), Vol. 07, número 14.

pageHeaderTitleImage_pt_BR

“Dossiê (2020.2): “Constelações polifônicas: musicalidade e tessituras criativas em África”

A música – expressão significativa nas sociedades africanas -,manifesta-se como no cotidiano, na ritualidade e, também, no fazer da política (a exemplo de Ali Bongho na ocasião da campanha eleitoral em sua primeira candidatura ou por Joseph Désiré Mobutu desde a criação, em 1967, do Moimento Popular da Revolução). A música revela-se como fonte para os estudos históricos, políticos, sociais e de criação e expressão.
A produção musical carrega em sua poética, a potencialidade de se insurgir como agente ativo da história e fonte incontornável nos estudos acadêmicos contemporâneos de diferentes campos do saber. A música como prática expressiva interliga-se a manifestações populares religiosas, econômicas e políticas. Pela música podemos entender a complexidade histórica africana, remetendo ainda a suas memórias e culturas materializadas, em especial, nas expressões de tradições orais como narrativas e provérbios ou, ainda, servindo como base da literatura escrita.
A escrita da história e das culturas africanas, desde a década de 1980, passou a afirmar a importância da oralidade no estudo de suas manifestações e transformações internas. Ressaltamos assim, conforme Hampâté Bâ (2010) em Tradição Viva, que “a escrita é uma coisa, e o saber, outra. A escrita é a fotografia do saber, mas não o saber em si. O saber é uma luz que existe no homem. É a herança de tudo que nossos ancestrais puderam conhecer e que se encontra latente em tudo o que nos transmitiram, assim como o baobá já existe em potencial em sua semente”.
Este dossiê abre-se para as constelações polifônicas africanas em suas perspectivas de exercício de compreensão de laços entre musicalidades e história, sinalizando tessituras de pensamentos, inovações, entrelaçamentos éticos, rítmicos e de estilos, além de dinâmicas e imprevisibilidade, processos e movimentos culturais, dimensões políticas de territorialidades e identidades africanas ao longo do século XX e XXI. Trata-se de reunir artigos de história, antropologia, sociologia e áreas afins. As seguintes temáticas são sugeridas: (i) Música, performance e comunicação (ii) Música, estética e estilos (iii) Música, movimentos sociais e instituições (iv) Música como expressão múltiplos significados (v) Produção cultural, espetáculos e festivais (vi) Música, mídia e espaços virtuais (vii) Música e migração ; (viii) Música em contextos de guerras e conflitos”.

As contribuições devem ser enviadas até ao dia 30 de novembro de 2020, para os endereços electrónicos marinaannie@gmail.com e tidjefene@gmail.com

Os trabalhos deverão estar dispostos nas normas da revista,  que podem ser encontradas no portal:
https://www.revistas.uneb.br/index.php/africas/about/submissions#authorGuidelines
nas diretrizes para autores.

AVISO – III Conferência Internacional Ativismos em África – Paz, Direitos e Novas Redes | Nova data de divulgação dos painéis aprovados

AiA_2021_cover-foto-fb

Caras e caros,

Esperemos que estejam bem.
Informamos que devido ao elevado número de propostas de painéis recebidas, a data de divulgação de resultados foi adiada para o dia 21 de Julho.

A chamada para propostas de comunicações irá ser divulgada no dia 1 de Agosto.

Pedimos desculpa pelo transtorno causado.
Com os melhores cumprimentos,
Luca Busotti, Universidade Federal de Pernambuco
Luiza Nascimento dos Reis, Universidade Federal de Pernambuco
Magdalena Bialoborska, Centro de Estudos Internacionais do Iscte
Miguel de Barros, Centro de Estudos Sociais Amílcar Cabral
Mojana Vargas, Universidade Federal da Paraíba
Rui Garrido, Centro de Estudos Internacionais do Iscte
Remo Mutzenberg, Universidade Federal de Pernambuco

Comissão organizadora
Activisms in Africa

https://activismsinafrica21.wordpress.com/  

 

Pandemia na África do Sul

“Em 27 de maio, no congresso virtual da UFBA 2020, foi realizada a mesa internacional Pandemia na África – epidemiologia e algocracia, com a participação de Livio Sansone, Jamile Borges da Silva, Valdemir Donizete Zamparoni, Colin Major Darch, Cardoso Armando, Lamine Badji, Paulo Veríssimo e Teresa Cruz e Silva. Hoje publicamos texto de Colin Darch, da Universidade da Cidade do Cabo, África do Sul, escrito na semana seguinte à do evento, especialmente para o Blog de HCS-Manguinhos”.

Veja a publicação completa em:

http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/pandemia-na-africa-do-sul

 

Chamada para painéis – III Conferência Internacional Ativismos em África – Paz, Direitos e Novas Redes | Recife, 2021

AiA_2021_cover-foto-fb

III Conferência Internacional Ativismos em África

Paz, Direitos e Novas Redes

Recife, 2021

Numa fase histórica em que o continente africano está vivendo grandes transformações, que em muitos casos ameaçam os espaços de liberdade individual e coletiva conquistados com grandes esforços mediante as lutas anticoloniais, a sociedade civil e nomeadamente os movimentos sociais representam o elemento fundamental para levar a frente um projeto de sociedade inclusivo e justo. Para compreender melhor tais lutas, analisando suas caraterísticas, inovações e capacidade de criação de redes solidárias, o Instituto de Estudos de África da Universidade Federal de Pernambuco, a Universidade Federal da Paraíba, o Centro de Estudos Internacionais do Iscte (CEI-Iscte) e o Centro de Estudos Sociais Amílcar Cabral (CESAC) de Bissau promoverão nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro de 2021, a 3ª Conferência Internacional Ativismos em África, no qual serão debatidos os novos perfis do ativismo social no continente africano e as perspetivas de mudança trazidas pelos mesmos.

Chamada para submissão de painéis – 01/04/2020 a 31/05/2020

A comissão organizadora da 3ª Conferência Internacional Ativismos em África receberá propostas de painéis temáticos a partir do dia 1 de Abril até o dia 31 de Maio do corrente ano.

Os painéis devem ter uma ligação com um dos seis eixos temáticos da Conferência e com interesse para a discussão dos movimentos de ativismo no continente africano:

Eixo 1: Ativismo, Movimentos Sociais e Política

– Resistência e contestação social
– Ativismo e processos de democratização
– Repensar a dimensão do Político em África

Eixo 2: Ativismo, Terra e Meio Ambiente

– Movimentos sociais e direito de posse e uso da terra
– Movimentos sociais e gestão ambiental sustentável
– Movimentos sociais e mega-projetos
– Movimentos sociais e redes de resistência e solidariedade: nível nacional, continental e transnacional

Eixo 3: Ativismo e Paz

– Movimentos sociais africanos em busca da Paz
– Movimentos sociais, conflitos internos e ameaças transnacionais
– Redes transnacionais para a Paz

Eixo 4: Ativismo e Direitos Humanos

– Direitos políticos
– Direitos sociais
– Direitos civis
– Direitos culturais

Eixo 5: Diáspora e Redes Transnacionais

– Redes de ativismo transnacional
– Redes de ativismo continental e Sul-Sul
– Movimentos de ativismo na diáspora

Eixo 6: Ativismo e Arte

– Artes visuais
– Cinema
– Música e artes performativas
– Literatura

São incentivadas as contribuições interdisciplinares e que procurem acolher trabalhos que tenham uma forte componente empírica.

Inscrições e mais informações estão disponíveis na página da Conferência:

https://activismsinafrica21.wordpress.com/

mão-verde

Webinar: Educação e Relações Étnico-Raciais em Tempos de Pandemia:

Divulgação:

Webinar: Educação e Relações Étnico-Raciais em Tempos de Pandemia: Diálogos Entre Saberes

Ocorrerá entre os dias 26 de Maio à 30 de junho de 2020 na Plataforma de transmissão Jitsi Meeth (https://meet.jit.si/erer2020)

Serão emitidos certificados para os ouvintes inscritos em cada uma das mesas. Links para inscrição abaixo:

Mesa 01 – Juventude Indígena: Lutas e resistências – https://bit.ly/2TgJVZj
Mesa 02 – Medicinas Indígenas: Saúde, Doença e Pandemia – https://bit.ly/2zPMtXg
Mesa 03 – Povo Negro e Covid-19 – https://bit.ly/2zT0fsb
Mesa 04 – Povos de Terreiro e Covid-19 – https://bit.ly/2zKcp6O
Mesa 05- Quilombos, racismos e (re)existências- https://bit.ly/2AMsXvv

 

Dossiê Exílio e afastamento: considerações sobre uma hermenêutica da distância? – O exílio africano de Paulo Farias (África Ocidental, 1964-1969) – Luiza Nascimento dos Reis

O exílio africano de Paulo Farias (África Ocidental, 1964-1969) – Luiza Nascimento dos Reis*

Resumo: Paulo Fernando de Moraes Farias é historiador brasileiro com renomado trabalho desenvolvido no Centre of West African Studies, da Universidade de Birmingham. Sua longa trajetória de residência e pesquisa no Reino Unido se deu após anos decisivos, em que viveu em diferentes países da África Ocidental. Perseguido politicamente pela ditadura civil-militar brasileira instaurada em 1964, Farias deixou o Centro de Estudos Afro-orientais (Ceao) da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e vinculou-se sucessivamente a diferentes instituições acadêmicas em Gana, no Senegal e na Nigéria para desenvolver pesquisa no emergente campo da história africana. Neste texto, amparado em três entrevistas concedidas por Farias e em diversas correspondências depositadas em acervos do Ceao e da Fundação Pierre Verger (FPV), discutimos os dilemas, as descobertas e os diálogos do jovem historiador em seu exílio africano entre 1964 e 1969.

Palavras-chave: Exílio; África Ocidental; Paulo Farias.

Luiza Nascimento dos Reis [*]Universidade Federal de Pernambuco — Recife (PE), Brasil

Divulgando – Carta aberta de intelectuais africanos aos líderes africanos

Em carta conjunta, cem acadêmicos e escritores de vários países da África apontam os problemas a serem superados no continente africano diante a atual crise global causada pela pandemia do COVID-19.

A Orisa Brasil traduziu a carta, originalmente em inglês. Veja a tradução no link ->

https://orisabrasil.com.br/Loja/100-academicos-e-escritores-africanos-pedem-aos-lideres-que-governem-com-compaixao-e-vejam-a-crise-como-uma-chance-de-uma-mudanca-radical-de-direcao/?fbclid=IwAR2lpCZXh4C1oH6Ujv_QabVkQexGYc9dzf8NocXVZJr9L4sdxafxgjC00W0

III Conferência Internacional Ativismos em África – Paz, Direitos e Novas Redes | Recife, 2021

AiA_2021_cover-foto-fb

III Conferência Internacional Ativismos em África

Paz, Direitos e Novas Redes

Recife, 2021

Numa fase histórica em que o continente africano está vivendo grandes transformações, que em muitos casos ameaçam os espaços de liberdade individual e coletiva conquistados com grandes esforços mediante as lutas anticoloniais, a sociedade civil e nomeadamente os movimentos sociais representam o elemento fundamental para levar a frente um projeto de sociedade inclusivo e justo. Para compreender melhor tais lutas, analisando suas caraterísticas, inovações e capacidade de criação de redes solidárias, o Instituto de Estudos de África da Universidade Federal de Pernambuco, a Universidade Federal da Paraíba, o Centro de Estudos Internacionais do Iscte (CEI-Iscte) e o Centro de Estudos Sociais Amílcar Cabral (CESAC) de Bissau promoverão nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro de 2021, a 3ª Conferência Internacional Ativismos em África, no qual serão debatidos os novos perfis do ativismo social no continente africano e as perspetivas de mudança trazidas pelos mesmos.

Chamada para submissão de painéis – 01/04/2020 a 31/05/2020

A comissão organizadora da 3ª Conferência Internacional Ativismos em África receberá propostas de painéis temáticos a partir do dia 1 de Abril até o dia 31 de Maio do corrente ano.

Os painéis devem ter uma ligação com um dos seis eixos temáticos da Conferência e com interesse para a discussão dos movimentos de ativismo no continente africano:

Eixo 1: Ativismo, Movimentos Sociais e Política

– Resistência e contestação social
– Ativismo e processos de democratização
– Repensar a dimensão do Político em África

Eixo 2: Ativismo, Terra e Meio Ambiente

– Movimentos sociais e direito de posse e uso da terra
– Movimentos sociais e gestão ambiental sustentável
– Movimentos sociais e mega-projetos
– Movimentos sociais e redes de resistência e solidariedade: nível nacional, continental e transnacional

Eixo 3: Ativismo e Paz

– Movimentos sociais africanos em busca da Paz
– Movimentos sociais, conflitos internos e ameaças transnacionais
– Redes transnacionais para a Paz

Eixo 4: Ativismo e Direitos Humanos

– Direitos políticos
– Direitos sociais
– Direitos civis
– Direitos culturais

Eixo 5: Diáspora e Redes Transnacionais

– Redes de ativismo transnacional
– Redes de ativismo continental e Sul-Sul
– Movimentos de ativismo na diáspora

Eixo 6: Ativismo e Arte

– Artes visuais
– Cinema
– Música e artes performativas
– Literatura

São incentivadas as contribuições interdisciplinares e que procurem acolher trabalhos que tenham uma forte componente empírica.

Inscrições e mais informações estão disponíveis na página da Conferência: https://activismsinafrica21.wordpress.com/

III Conferência Internacional Ativismos em África_Recife 2021

III Conferência Internacional Activisms in Africa_Recife 2021_chamada para panéis

3rd International Conference Activisms in Africa_Recife 2021

3rd International Conference Activisms in Africa 2021_call for panels_EN

mão-verde